Uma tarde que vento-a um cigarro achado, amassado esfumaçando o cinzeiro molhado de chuva um copo cheio d’uísque, sujo de vinho e uma vista de morte um pensamento suicida encravando a carne do peito escarro o sangue, desfazendo-se em ventania vagalumes da cidade como morcegos de sombra dançam com a nuvem pueril que corrói o […]

 
Ler mais →

Júlio olhou para o homem sentado na sua cadeira de detetive. Tinha uma lembrança dele mais jovem. Mas também não sabia quanto tempo fazia. Ele viera a caráter. Negro e vermelho. E tinha uma aparência gasta. Cansada.   – Câncer –  disse o recém-chegado – eu sempre pensei que fosse ser alguma coisa envolvendo faca […]

 
Ler mais →

Me escapam dois ou três vocábulos. o som emitido do tom de minhas silabas as vezes se perdem A entonação necessária não apaga a atitude incerta os emaranhados de palavras não corrigem o erro A valsa necessária, simples(mente) não existe mais tento desesperadamente enlouquecer Às vezes perco o comando e voar sem direção me faz […]

 
Ler mais →