Júlio olhou para o homem sentado na sua cadeira de detetive. Tinha uma lembrança dele mais jovem. Mas também não sabia quanto tempo fazia. Ele viera a caráter. Negro e vermelho. E tinha uma aparência gasta. Cansada.   – Câncer –  disse o recém-chegado – eu sempre pensei que fosse ser alguma coisa envolvendo faca […]

 
Ler mais →

Link do capítulo anterior – pulpstories.com.br/…/dancando-nas-trevas-do-fim-ao-comeco-5 VI HERDEIRO DE FORTUNA ASSASSINADO NA SAÍDA DA ESCOLA FAMÍLIA INCONSOLÁVEL   Dizia ali a manchete no bar. Que ia amarelando aos poucos.   Os cabelos dele, que de negros iam a raspados e agora eram apenas penugem, ajudavam a completar a imagem de bebê chorão. Junto com o nariz […]

 
Ler mais →

Link do capítulo anterior – pulpstories.com.br/…/dancando-nas-trevas-do-fim-ao-comeco-4 V Dá pra acreditar? Quando paramos no próximo posto, ela ria.   – A cara dele! A cara de pavor dele! Meu pai fazia bem igual! Hahahahaha!   – É, doutora. Assim é todo o homem que pensava que era valente até ver a morte estampada no rosto de outro. […]

 
Ler mais →

Link do capítulo anterior – pulpstories.com.br/…/dancando-nas-trevas-do-fim-ao-comeco-2   III Os cabelos dele estavam curtos e acinzentados quando ele saiu. E a inatividade e as  drogas  o fizeram ganhar peso. Palidez e olheiras fundas. Seus pais o aguardavam de carro. Voltaram para o apartamento.   – Meus pôsteres! – disse ele. Não tinha mais raiva pra sentir. Só […]

 
Ler mais →

Link do capítulo anterior – pulpstories.com.br/…/dancando-nas-trevas-do-fim-ao-comeco II – Você tem que entender que isso são delírios.   – Mas por que?   – Porque você não é um detetive.   – Eu descubro coisas. Eu descobri que a professora estava passando as respostas para…   – Isso não faz diferença, Julio. Você não tem autoridade para […]

 
Ler mais →

I   Júlio olhou para o homem sentado na sua cadeira de detetive. Tinha uma lembrança dele mais jovem. Mas também não sabia quanto tempo fazia. Ele viera a caráter. Negro e vermelho. E tinha uma aparência gasta. Cansada.   – Câncer –  disse o recém-chegado – eu sempre pensei que fosse ser alguma coisa […]

 
Ler mais →