Oi meu amor

Nem sei se devo, e posso te chamar assim ainda

Mas é que eu sinto saudade…

De tudo que vivemos e do que talvez deixamos de viver

Coisas que guardei na minha memória

E que sei, que nunca mais vão acontecer…

Mas a verdade é que eu seguro a onda, e seguro minhas emoções

Vivo num conflito diário comigo mesma e com meu coração, tentando te esquecer…

Queria te dizer também que o sol pra mim, não se põe mais no paraíso

E que a lua deixou de brilhar

Que meu coração aperta, toda vez que ouve teu nome

E que seguro a lágrima…

Lembro-me daquela nossa noite, a última por sinal…

De dentro do quarto, víamos a chuva bater na janela, nós não nos importávamos,

Pois o “fogo” que ardia ali, era mais forte do que aquela tempestade de água…

 

Por todos os momentos de felicidade,

e

De prazer também

Obrigada

Para sempre, sua.

 

Poema de: Isabella Machado – facebook.com/isabella.machado.7106

CURTA NOSSA PÁGINA – facebook.com/pulpstoriesbr