A menina de preto andava pela rua, com seu ar teatral

Ninguém a conhecia, as pessoas não ousavam a fazer julgar sua condição

Ela desfilava por toda avenida, invadindo todos os espaços.

A menina de preto não se fazia rogada.

Invadia a vida de todos, de uma forma ou de outra conseguia se manter constante e afetar nossos corações

A menina de preto não tinha nada de especial, porém muitos não largavam dela.

Os amigos aconselhavam, as drogas tentavam, mas poucos se afetavam.

No final a menina de preto quase sempre conseguia

A vida seguia, os anos passavam, pessoas acreditavam e a solidão seguia.

Andaras com a menina de preto e ficaras surdo e imune a atmosfera que vos cerca.

Alguns iram tentar, mas poucos conseguirão, e a menina de preto continuará caminhando por ai.

Feliz foi quem se livrou.

 

Poema de: Mauricio Prestes