Eu toco aquele piano

O Jazz me domina

O álcool é sublime

Aquelas pernas dançando no salão

O sabor ébrio da vida tomando todos

Uma penumbra artificial toma o ambiente

Eu bebo mais

Eu toco mais

Eu sinto que estou indo

Eu sinto aqueles lábios quentes

Eu sinto todo o ardor

E o Diabo me espera, escorado na própria sombra

Uma noite quente em um mundo frio.

Um céu nas profundezas

Acho que, vou ficar um pouco mais…

Texto de: Mauricio Prestes

Curta a Pulp Stories!