É, eu aceitei que sou o palhaço, que estou lá para fazer os outros rirem,
perguntar foi o seu dia e etc…

sou assim.

Se eu posso fazer o dia de alguém melhor,
me sinto bem por fazer

Mas eu não desejo a ninguém sentir o mesmo que eu sinto,
não desejaria isso ao meu pior inimigo,
a sensação de vazio,
o escuro dentro de meu ser,
o fato de que, no final do dia,
eu não tenho ninguém.

Tenho uma vida difícil,
eu vi a mudança,
a morte,
o sumiço
de cada um, ao meu redor
quase dói, passar por tanta traição e ingratidão,
mas é assim que se pode anima-los,
me nego a chorar, eu não posso,
não posso demonstrar qualquer tipo de fraqueza,
pois se deixar sentir e ver,
deixarei de ser
o palhaço,
serei apenas mais um qualquer,
como todos
os outros

 

Poema de: João Martins – facebook.com/profile.php

CURTA NOSSA PÁGINA 🙂  – facebook.com/pulpstoriesbr