Um gole rápido, uma tragada lenta

O álcool desce rasgando a garganta, a fumaça impregna o ambiente

O silêncio se estala, a passos lentos, vai tomando conta de tudo.

São 5:00 da manhã, o bar está vazio, estou sozinho

Como sempre estive

A porta se fecha ao fundo

– É apenas segunda-feira Pablo, vá com calma.

Termino meu drink, uma mistura de uísques baratos, com gosto pior que a aparência do lugar.

– Já estou indo, já estou indo.

Minha cabeça gira, borbulha pensamentos aleatórios, beirando a insanidade.

Levanto-me, o balcão serve de apoio para minha tontura, aos tropeços rumo a porta.

– Até de noite.

– Até mais Pablo..

Poema de: Gabriel Dressler