O caminho é longo

A trilha fraca
Os passos são curtos
Vago pela planície rochosa
Determinado, com medo

O topo me chama…

Rugidos ecoam por todos os lados
A fera a cima ruge
Me desafiando

Aperto o passo
A chuva começa a cair
Pingos grossos escorrem pela cota de malha
Paro, perplexo perante a caverna

O medo vem
Me preenche…

O vento sopra, forte
Um sensação estranha ecoa pela minha espinha

Adentro…

Sinto cheiro de morte
Ele não vem de dentro
Ou de qualquer outro lugar
Ele vem de mim
Ele pressagiava
O meu fim…

Poema de: Gabriel Dressler – facebook.com/gabrielkde.andrade

CURTA NOSSA PÁGINA – facebook.com/pulpstoriesbr