“- Cara o ou coroa. Escolha. É o melhor que posso fazer por você.
– Não. A moeda não escolhe. É você que decide.
– Escolha.
– Eu sabia que você era louco no momento em que vi você sentado aí. Eu sei o que me espera. Mas eu não vou escolher. Não é a moeda que decide. É você.
– Eu cheguei aqui do mesmo jeito que a moeda chegou.”

Caótico
Randômico
Louco

O Destino talvez tenha algum propósito.
O Acaso com certeza é maluco.

Um mundo desprovido de moral.
Sem sentido a não ser o que imaginamos depois de contemplar manchas escuras aleatórias por tempo demais.
Porque precisamos imaginar alguma coisa.

É como a arma do Harry. A questão não é se ele ainda tem uma bala ou não. A questão é que é uma Magnum 44. Se ele te acertar você morre. Se ele estiver sem balas, você escapa. Se ficar quietinho, ele te leva preso pra uma vida amarga na cadeia depois. Longa e infeliz.

Você vai tentar sacar a sua? Harry já tem a dele na mão. Apontando pra você.

Ele atirou cinco ou seis vezes antes?
Você não vai conseguir lembrar. Esqueça isso.

É uma aposta.

Você tem feito essa aposta todos os dias da sua vida.

E até agora a moedinha deu o lado que o Harvey não riscou.

Tá com sorte hoje?

Então aproveita o dia.

Texto de: Luiz Hasse
Curta a Pulp Stories!