Link de todos os capítulos já postados – pulpstories.com.br/category/marvin

CAPITULO VINTE NOVE

Descendo aquela enorme escada vermelha, era Samanta Krall em carne e osso. E o pior, ela estava apontando uma arma para outra pessoa, que de imediato identifiquei.

– Madame Leia é você? Não entendo mais nada. – Falei eu com ar de surpresa em meu rosto.

– Como assim Madame Leia? Quem é você sujeitinho esquisito? Vocês são policias? Afastem se de mim.  Se chegarem mais perto, meto uma bala na cabeça dela.

– Calma senhorita Samanta. Estamos aqui para ajuda lá. Solte essa arma por favor. – Falou Rick Fallon de braços abertos em direção a Samanta.

– Afastem se. Já falei. Se chegarem mais perto, eu meto uma bala nela.

Samanta Krall tremia com a arma em mãos. Ela possuía profundas olheiras. Parecia não dormir a dias. Leia permanecia imóvel de cabeça baixa, com o mesmo curativo em seu nariz como lhe vi pela primeira vez.

– Não somos da polícia senhorita Samanta. Somos detetives. E estamos investigando um caso de tráfico de órgãos. Precisamos da sua ajuda. Sabemos que também é uma vítima da gangue vermelha. Não se preocupe, vamos ajuda lá. Só preciso que me entregue essa arma – Falei me aproximando aos poucos das duas.

– Cale a boca. Você não sabe de nada seu idiota. Se chega mais perto eu atiro. – Falou Samanta Krall apontando a arma para mim.

No mesmo instante abortei minha aproximação. Olhei para Rick que sangrava o braço esquerdo devido ao disparo que o atingiu anteriormente. Teria que agir logo, mas Samanta estava com uma arma, e apontada para mim agora. Uma mulher com uma arma é sempre muito instável. Nunca saberemos prever seus movimentos.

– Senhorita Samanta. Me entregue essa arma, e podemos conversar sobre o que está acontecendo. Iremos esclarecer tudo. Não se preocupe. – Falei retomando pequenos passos em direção a ela.

– Esclarecer o que idiota. Que eu Samanta krall a miss nariz Bell Fast, faz parte de um grande esquema de tráfico de narizes. Que aceitei participar disso por vaidade e por dinheiro. O que você quer saber? Que o nariz mais belo de Bell Fast, na verdade não me pertence, e sim a essa reles empregada. Leia você me traiu. Você chamou esses idiotas para me pegar. Sua vaca. Vou estourar sua cabeça agora.

No mesmo instante Samanta mudou a direção da arma para cabeça de Leia novamente. Eu sentia que algo poderia acontecer e naquele momento. Samanta começou puxar o gatilho lentamente. Em câmera lenta, quase poderia prever o movimento. Algo inexplicável. No mesmo momento, pulei sobre as duas. Samanta percebeu e rapidamente apontou arma para mim e atirou. Só senti o chumbo quente passar sobre minha orelha esquerda. Bem na hora, Leia agarrou se no braço de Samanta, desviando a trajetória da bala, evitando que o tiro me acertasse. Quando dei por si, Samanta ainda continuava com arma. Parecia mais disposta ainda em me acertar.

– Sua vaca estupida. Dessa vez não vou errar. Vou matar esse idiota e depois você sua retardada. – Falou Samanta com a arma em punho a meio metro de mim.

Com certeza naquela distância ela nunca iria errar. Olhei para trás, Rick tentava aproximar se aos poucos de Samanta para surpreende lá.

– Parado ai seu idiota. Se não eu atiro em você também. – Falou Samanta afastando se um pouco de mim e olhando para Rick.

Estávamos embretados. Eu e Leia caídos no chão de um lado, e Rick sem saber o que fazer do outro.

– Primeiro irei acabar com você detetive intrometido. Depois cuidarei dos outros. – Falou Samanta apontando a arma para mim.

Ela estava completamente fora de si. Poderia ver em seu olhar. Samanta era uma bomba relógio prestes a explodir. E o pior, com uma arma na mão em minha direção.

– Por favor senhorita Samanta. Eles não são culpados do que está acontecendo. Mate a mim. Sou a única culpada disso. – Falou Leia gritando com um vigor que ainda não vira nela.

Samanta Krall não sabia para quem apontar arma. Ela passava de mim para Rick Fallon e para Leia. Estava completamente confusa.

– Vocês são todos idiotas. Vou matar todos vocês agora…

Samanta apontou a arma em definitivo para mim. Conseguia perceber ela sutilmente puxando o gatilho. Fechei meus olhos, e aguardei o pior acontecer. Escutei o barulho do tiro. Cai na mesma hora de olhos fechados. Ué! Será que acabou? Não sentia absolutamente nada. E o mais estranho, que ainda conseguia ouvir vozes. Quando abri meus olhos, Samanta Krall estava caída no chão sangrando com as duas mãos no rosto. Rick Fallon e Novaes já estavam em cima dela. Olhei para lado, Leia me estendia a mão.

– Você está bem Marvin? Ela te atingiu? – Falou Leia ajudando me a levantar.

– Eu achei que havia morrido. Mas vejo que estou nesse plano ainda. Pelo jeito Samanta foi atingida. – Falei verificando se havia algum ferimento em meu corpo.

– Está tudo bem Marvin? Peguei essa desgraçada. Logo chegara reforços. Parabéns senhores. Missão quase completa. – Falou Novaes algemando Samanta que urrava de dor, ela havia sido atingida de raspão em seu nariz.

Em poucos minutos a casa estava cheia de policias e agentes de Novaes. Algumas ambulâncias também chegaram para atender os feridos. Rick de um lado tratando seu braço. Novaes em outra ambulância. Samanta deitada em uma maca sendo sedada para parar de gritar. Tenho muita sorte em estar inteiro. De certa forma me sentia feliz. O caso estava quase resolvido. Olhei para céu, o sol já estava se pondo. Senti uma mão em meu ombro e uma voz suave atrás de mim.

Texto de: Mauricio Prestes

Curta a Pulp Stories e não perca nenhum texto!