Link do capítulo anterior – pulpstories.com.br/…-morta/gloria-morta-2

III

-E aí, Chaves? O que diz o laudo?

-Olha, detalhes técnicos a parte, envenenamento. Já estavam mortos há horas, quando a menina chamou a gente. E você lembra como ela chamou?

-Sim. A voz parecia de gelo. E ela também parecia de gelo quando nos recebeu lá na casa. Mais algum detalhe?

-O médico que examinou ela disse que ela está muito fraca, como se estivesse em choque. Não comeu nada e não aceitou ser alimentada. Disse também que ela tem marcas no corpo… daquele tipo.

-Seviciada?

-Pelo que diz o doutor, a coisa já vinha de tempo. Mas a psicóloga não sabe o que dizer. Ela diz que raramente alguém é TÃO frio diante destas coisas.

-Vai querer dizer que não foi ela?

-Claro que foi. Às vezes, acontece de uma menina nesse estado reagir. É raro, mas acontece. Só que, pra acontecer,  a guria deve ter meio que…

-Pirado?

-Foi o que a doutora disse. Sabe o que eu acho?

-O quê?

-Ela deve ter usado alguma coisa.  Tem uma seringa vazia que tava no quarto dela, e ela tem marcas de picada no braço.

-Bom, tava chapada. Pode nem ter percebido o que fez.

-É… mais ou menos isso…

-Qual é tua dúvida, Chaves?

-Olha doutor Carlos. O senhor é que o delegado, mas eu tô nessa há mais tempo. Vou esperar o resultado do laboratório… mas jogo com o senhor que naquela seringa tinha a mesma joça com que matou a mãe e o padrasto.

-Só que, daí, ela devia ter morrido.

-É, devia. Posso ir pra casa agora, doutor?

-Pode, já tá bem tarde.

O veterano se levantou. Pegou o casaco e começou a andar em direção à saída. No caminho, a garotinha pálida que o apavorava desde que chegara ali olhou pra ele com olhos de raposa, da sala onde estava, vigiada por um guarda, mas sentada tranquilamente sobre uma cadeira.

E, uma vez que os olhares de ambos se cruzaram, ela disse, sem cerimônia:

-Começou.

-Começou o quê?

-Até daqui há pouco, seu Chaves.

-Não brinca comigo, menina!

Ela apenas sorriu. E ele não disse mais nada e foi pra casa.

Texto de: Luiz Hasse

Curta Pulp Stories e não perca nenhum texto!