A pessoa que eu era não gostava quando era jovem.
Mas blues e café sem açucar nem leite são música e bebida de trabalhadores. É necessário um certo grau de sofrimento refinado para apreciar de verdade, numa cozinha fria ou no som da máquina.
Então a playboyzada curte, e nada há de errado nisso, mas é incapaz de compreender por que o azul de um céu tão claro e festivo pode ser tão triste por uma janelinha estreita.
E por que tanto calor sem nenhum açúcar, escuridão pura bebida, e quente, pode acalmar e alegrar.

Texto de: Luiz Hasse
Curta a Pulp Stories!