Seguro a angustia, para não ser pisado como folha seca, de jardim que ali jaz o peso aumenta, a alma estilhaça e o corpo se desfaz mas mantenho-me a força, e sozinho aguento calado Tenho refúgios físicos, mas acabo no fim, abandonado o brio do amor meu, uma única vez, não foi fugaz Admito! desde […]

 
Ler mais →

Uma semana, totalmente sóbrio limpo, ‘’reabilitado’’ infeliz como o cão que, arrasta o cu na grama, Sofro com lapsos de memórias que, Espancam a minha consciência Como nos Goodfellas, chute na cara, Até virar carne moída O telefone não para de tocar, Rita e Carlos querem saber como eu estou, Eu os digo que vou […]

 
Ler mais →

O mesmo bar, atormentado pelas faces conhecidas Conhecidos aqueles que, nem mais nem menos do que a pura, indiferença E ao meio da dança efervescente do cachorro engarrafado, se via naquele espelho, Os olhos caídos, contornados pelo negrume das noites mal dormidas Pobre era ele, só por existir, embebido do elixir da tristeza Salvar-se jamais […]

 
Ler mais →

plantado frente a folha, sentia a vida lhe fugir, os dedos desprezavam a velha naturalidade, que sempre fora, alternativa a… Mas agora, onde foram, onde fora? Os cantos, em retalhos em cima da cama Rimbaud, ria em sua temporada no inferno Tateou o vento, o corvo necrófago, com pedaços de Poe E Ginsberg uivava poesia, […]

 
Ler mais →