Ah, as minhas tardes, sem novidades eu enxergo O sol toma seu espaço em solidão, ‘’ó céus’’ grita o vento frio e cruel As obras são eternidades despercebidas, as flores não beijam o mundo O pinheiro não balança com emoção, os pássaros evitam o lance ao céu Dias sem a beleza, que um dia, se […]

 
Ler mais →

Uma tarde que vento-a um cigarro achado, amassado esfumaçando o cinzeiro molhado de chuva um copo cheio d’uísque, sujo de vinho e uma vista de morte um pensamento suicida encravando a carne do peito escarro o sangue, desfazendo-se em ventania vagalumes da cidade como morcegos de sombra dançam com a nuvem pueril que corrói o […]

 
Ler mais →

Seguro a angustia, para não ser pisado como folha seca, de jardim que ali jaz o peso aumenta, a alma estilhaça e o corpo se desfaz mas mantenho-me a força, e sozinho aguento calado Tenho refúgios físicos, mas acabo no fim, abandonado o brio do amor meu, uma única vez, não foi fugaz Admito! desde […]

 
Ler mais →

Uma semana, totalmente sóbrio limpo, ‘’reabilitado’’ infeliz como o cão que, arrasta o cu na grama, Sofro com lapsos de memórias que, Espancam a minha consciência Como nos Goodfellas, chute na cara, Até virar carne moída O telefone não para de tocar, Rita e Carlos querem saber como eu estou, Eu os digo que vou […]

 
Ler mais →