Escutei todos os álbuns dos Rolling Stones fumei todos os cigarros da cidade caminhei por cima dos postes fazendo sombra inútil, para os mendigos sonambulos bebi todas as garrafas plasticas de vinho radioativo acoei de volta para todos os cachorros que me avançaram mordi uma parede de tijolos que me olhava estranho espanquei uma estatua […]

 
Ler mais →

Ah, as minhas tardes, sem novidades eu enxergo O sol toma seu espaço em solidão, ‘’ó céus’’ grita o vento frio e cruel As obras são eternidades despercebidas, as flores não beijam o mundo O pinheiro não balança com emoção, os pássaros evitam o lance ao céu Dias sem a beleza, que um dia, se […]

 
Ler mais →

Uma tarde que vento-a um cigarro achado, amassado esfumaçando o cinzeiro molhado de chuva um copo cheio d’uísque, sujo de vinho e uma vista de morte um pensamento suicida encravando a carne do peito escarro o sangue, desfazendo-se em ventania vagalumes da cidade como morcegos de sombra dançam com a nuvem pueril que corrói o […]

 
Ler mais →