A mercê da luz branca que explode meus olhos dentro da construção, leio poemas de 1928 saudades daquela época que eu não vivi meus pensamentos são vultos sem sombras ou asas as palavras me fogem pelas orelhas Eu não sinto muito por qualquer coisa sigo distante de qualquer passado pensar no velho erro é um […]

Ler mais →
 

  Seus cabelos eram de um loiro brilhante e caíam como cascadas onduladas pelos ombros. O azul de seus olhos cintilava como se tivesse vindo do oceano num dia claro. Era linda. Perfeita. Para o jovem empresário contemplando-a do outro lado do barzinho só havia uma coisa que o desconcertava naquela beleza toda. Ela usava […]

Ler mais →